Blog

publicado em 18 de Dezembro de 2009 | em Cinema

Estudo sobre filme Avatar

“Quero criar um sonho que possa ser sonhado colectivamente numa sala de cinema”. É com essa proposta ousada que o director James Cameron apresenta ao mundo a sua mais nova criação: Avatar. Independente de sua qualidade, o filme deve tornar-se um divisor de águas em termos de tecnologia de captura de imagens e projecção nos cinemas.

O filme, que chega aos cinemas a partir de 18 de dezembro, traz já alguns recordes no seu histórico: o principal deles, e o que mais contribuiu para aumentar a expectativa em torno dele, é o rótulo de “filme mais caro da história do cinema”, com um orçamento estimado em US$ 400 milhões, exceptuando-se os investimentos em marketing – que segundo especialistas teriam custado mais US$ 200 milhões.

Mas afinal, o que faz de Avatar um filme revolucionário? Quais são as inovações que ele traz em termos de tecnologia que são pioneiras e que, sem dúvida, passarão a fazer parte do quotidiano das grandes empresas de efeitos especiais a partir de 2010? Seria o fim do cinema como conhecemos e o começo de uma nova era na indústria do entretenimento?

Star Wars, o princípio do sonho

James Cameron não imaginava que um dia trabalharia com cinema. Formado em Física na Universidade da Califórnia, Cameron trabalhava como camionista para pagar os seus estudos e sustentar-se. Na mesma universidade, chegou a cursar Filosofia. Mas foi ao entrar numa sala de cinema que a sua vida mudou por completo.

A convite de um amigo, James foi a uma sessão de Star Wars: Episódio IV – Uma Nova Esperança, filme considerado um marco na história do cinema em termos de tecnologia e efeitos especiais. O que viu na tela o impressionou de tal maneira a ponto de fazer o rapaz de 23 anos mudar completamente o rumo da sua vida.

Ele deixou a faculdade e passou a dedicar-se obsessivamente a estudar a criação de efeitos especiais para cinema. Nas horas vagas, cultivava uma paixão por literatura de ficção científica. Também gostava de escrever contos sobre o tema. Seu perfeccionismo era tanto que, antes de produzir seu primeiro curta-metragem desmontou a câmara por completo apenas para entender como ela funcionava e, assim, poder extrair ao máximo todos os seus recursos.

James Cameron no set de filmagem de Avatar. Foto: Divulgação/20th Century Fox.

O tempo passou e suas ideias obsessivas aliadas à competência e ao talento o colocaram no topo das bilheterias por diversas vezes. Filmes como O Segredo do Abismo, Aliens – O Resgate, O Exterminador do Futuro e O Exterminador do Futuro 2 – O Julgamento Final tornaram-se grandes sucessos de público e crítica.

Em 1994, no filme True Lies, foi o primeiro director a produzir um filme com orçamento superior a US$ 100 milhões. Três anos depois, em Titanic, foi o primeiro a dirigir um filme com orçamento superior a US$ 200 milhões. A produção, que chegou aos cinemas cercada de desconfiança, facturou US$ 1,8 bilhões e, até hoje, é o filme com maior bilheteria na história do cinema. É também o maior vencedor da história do Oscar, com 11 prémios.

Um currículo como esse seria o suficiente para qualquer um se aposentar tranquilamente tendo escrito o seu nome na história do cinema. Não para James Cameron. Tão logo terminou Titanic o director percebeu que poderia finalmente criar algo similar ao que viu nos cinemas na década de 70.

Se a tecnologia não existe, então deve ser criada

Com a ideia pronta e o guião nas mãos, Cameron reuniu-se com os engenheiros e técnicos da Digital Domain, então uma das principais empresas de efeitos especiais em Hollywood da qual era um dos proprietários. Ao apresentar sua ideia e descrever a maneira como queria fazer o filme, a resposta foi categórica e unânime: impossível fazer isso, não existe tecnologia suficiente e a empresa provavelmente abre falência devido ao alto investimento.

Cameron poderia fazer o filme que quisesse, mas optou por esperar. Se a tecnologia não existia era preciso criá-la. Se ele não poderia fazer esse filme, então não poderia fazer outro. Foi preciso esperar outros seis anos até que outro filme o convencesse ser possível colocar a sua ideia em prática: O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei.

Para isso, foi procurar o próprio director do filme, Peter Jackson, nos seus estúdios de criação de efeitos especiais na Nova Zelândia, a WETA Studios. Juntos, estimaram mais alguns anos de pré-produção e que algumas tecnologias, como o 3D, teriam que ser melhores desenvolvidas. Era hora de correr contra o tempo.

O filme

Mas do que se trata Avatar? A acção acontece em Pandora, uma lua que está na órbita de um planeta gasoso chamado Poliphemus, em Alfa Centauro. Em Pandora vive uma raça humanóide primitiva, mas bastante sábia, chamada Na’vi.

O ar de Pandora é irrespirável para os seres humanos. Então, para que pudéssemos entrar na atmosfera do planeta foram criados híbridos humano-Na’vi, chamados de Avatares. Esses híbridos são controlados por humanos, por meio de projecção de consciência, o que possibilita, em outras palavras, viver por meio deles.

A trama está centrada em Jake Sully, um fuzileiro naval ferido em combate que está paralisado, mas que em Pandora pode novamente andar graças ao seu avatar. Ameaçados pela expansão dos seres humanos em seu planeta, os Na’vi entram em conflito com militares da nossa raça, travando uma grande batalha.

A construção de um mundo

Como a Pandora idealizada por James Cameron também não existe, precisou ser criada. E se engana quem pensa que foi preciso apenas alguns esboços de uma equipa artística para dar forma aos cenários, ao visual dos personagens e às cenas de batalhas. Tudo em avatar ganha proporções maiores.

A linguagem foi um dos primeiros elementos. Os nativos Na’Vi falam um idioma próprio nascido na cabeça do director. As palavras que falam e a maneira como se comunicam não foram decididas a esmo. Para conferir realidade à trama foram contratados linguistas e fonoaudiólogos que, juntos, criaram um novo idioma, com direito a gramática, sintaxe, morfologia e tudo mais que possa ser estudado numa linguagem. Com isso, independente da existência do filme, é possível aprender Na’Vi!

Da mesma forma, os cenários e tudo em torno dos personagens é pura obra de ficção. E é aqui que começa um apurado trabalho de computação gráfica para dar vida à imaginação do director. Plantas, rochas, ambientes e animais foram cuidadosamente desenhados de maneira a se tornarem factíveis no novo mundo.

Visual de um dos personagens de Avatar. Foto: Divulgação/20th Century Fox.

As plantas, por exemplo, são classificadas por suas espécies e classes, possuem características morfológicas claramente definidas e são parte de um complexo ecossistema que contou com a ajuda de botânicos e biólogos para um resultado final mais eficiente. Em Avatar, a novidade fica por conta de uma floresta biofluorescente, com plantas que emitem luzes multicoloridas, possuindo uma espécie de magnetismo ao seu redor.

Os animais também foram cuidadosamente concebidos. Estudos de movimento, constituição física e óssea e comportamento forma apenas alguns dos itens pesquisados. A fonte, é claro, foram os animais da Terra, mas todos eles ganham uma versão diferenciada para que pareçam pertinentes ao novo mundo.

Novas tecnologias

Uma das exigências do director para filmar o seu projecto mais ambicioso era que todo o filme fosse produzido em 3D. Segundo ele, somente assim seria possível proporcionar ao espectador uma experiência de imersão total no filme. Para a época isso era um grande problema. Para se ter uma ideia, nos EUA, em 2005 havia menos de 100 salas com suporte para o formato. Hoje, apenas três anos depois, já são mais de 2000.

Para conseguir o realismo que tanto desejava, os estudos da equipa de Avatar chegaram a três conclusões: era preciso reinventar as câmaras 3D, aperfeiçoar o sistema de captura de imagens que depois seriam transformadas em CGI e aperfeiçoar o sistema de captura de expressões faciais e corporais dos actores.

Parte da floresta biofluorescente de Pandora. Foto: Divulgação/20th Century Fox.

Se no passado James Cameron chegou a desmontar uma câmara no set de filmagem para entender o seu funcionamento, não é de se admirar que ele tenha feito exactamente o mesmo com as câmaras 3D. Tudo para conseguir resolver o que era um grande problema do formato até então.

A reinvenção do 3D

O cinema em terceira dimensão não é exactamente uma novidade. Pelo contrário. As suas primeiras utilizações comerciais remetem à década de 50 nos Estados Unidos. Porém, o 3D da maneira que conhecemos hoje nos cinema é algo relativamente novo. Ver seguintes artigos: “Como funciona o Imax?” e “Como funciona a tecnologia 3D?”.

Se já foi assistir a um filme numa sala 3D já deve ter percebido que, em todos os filmes, nem todas as cenas são em 3D. Mesmo num filme de duas horas de duração as cenas com efeitos são intercaladas entre cenas normais. Sabe por que isso acontece? Não há comprovação científica disso, mas em alguns casos os espectadores podem sentir tonturas ao acompanhar projecções por um longo período neste formato.

Desde o ano de 2000 a Sony concordou em financiar as pesquisas de James Cameron para uma nova câmara 3D. A ideia era desenvolver um produto que permitisse ao utilizador o controle total sobre aquilo que estava a ser filmado – o que não acontecia nas câmaras 3D existentes. Além disso, o sistema de lentes duplas foi adaptado para que as imagens exibidas não causassem dores de cabeça aos espectadores.

Jake Sully ao lado do seu Avatar. Foto: Divulgação / 20th Century Fox.

O resultado foi utilizado nas sequências em live-action do filme, ou seja, onde os personagens de carne e osso são estrelas – e há uma boa quantidade de cenas onde isso acontece. Desta forma foi possível fazer com que Avatar, um filme com 164 minutos de duração, pudesse ser exibido 100% em 3D sem que isso causasse alguns tipos de desconforto para o espectador – a menos, é claro, nas sequências em que esta é a proposta do director.

Com o aumento das salas em 3D e a crescente adopção deste formato não há dúvidas que a nova tecnologia estará presente nas próximas grandes produções do cinema e que a próxima década será marcada, ao menos no aspecto tecnológico, pela busca cada vez mais precisa da melhor utilização deste formato.

Captura de movimentos

A criação da imagem de uma pessoa em CGI requer um bocado de trabalho e, para que o resultado seja preciso em termos de fisiologia do movimento, é necessário capturar o maior número de variações e detalhes que possam ser transpostos para a tela do computador.

Em Avatar os actores utilizaram uma espécie de malha, nos sets de filmagem, compostas por pequenos reflectores. Esses pequenos pontos foram capturados por nada menos que 140 câmaras simultâneas. Os dados referentes aos reflexos de cada ponto num determinado movimento do actor são catalogados e enviados para uma grande base de dados.

Após esse processo os animadores entram em cena, construindo as imagens dos personagens – nesse caso dos avatares – sobre o movimento corporal dos actores, o que confere um maior realismo ao resultado final das imagens. Como percebemos, diferente do que muitos imaginam, produções desenvolvidas em CGI não dispensam o trabalho dos actores, pelo contrário. Caso eles sejam fracos ou inexpressivos corporalmente, sem dúvida isso será notado pelo espectador, da mesma forma que uma actuação ruim também chama atenção.

Cena de Avatar. Foto: Divulgação / 20th Century Fox.

Captura de movimento facial

Num filme, o rosto de um actor é um dos elementos mais importantes de uma actuação. Sua expressividade, muitas vezes, é capaz de dizer muito mais do que linhas inteiras de diálogos. Como fazer então para tornar esse processo mais natural quando o personagem em questão é criado artificialmente?

Uma técnica similar à captura de movimentos é utilizada para a captura de expressões faciais. Uma microcâmara é colocada a poucos centímetros do rosto do actor. Na sua face são colocados uma série de pequenos pontos coloridos. Diante da câmara o actor faz uma série de expressões.

Essas imagens são enviadas para uma base de dados que faz um mapeamento desses pontos, proporcionando uma espécie de leitura do movimento do rosto do actor. A partir dos pontos o novo rosto em CGI é reconstruído e, a partir da face do actor, é construída uma nova máscara com uma expressividade tão fiel quanto a imagem original.

Percepção de cenários

Mesmo tendo uma base de dados enorme com os mais variados tipos de movimentos, nada é mais eficiente que a movimentação original necessária para uma determinada cena. A maneira encontrada para resolver esse problema é simples e bastante similar a captura de movimentos corporais.

De facto ela é uma extensão desta tecnologia já que além da movimentação dos actores, são capturados também elementos cênicos que proporcionem aos animadores a reconstrução de um objecto em CGI. Por exemplo: se no filme há uma cena em que determinado actor precisa cruzar uma ponte, ela será filmada com ele vestindo a malha com os LEDs indicadores e cruzando uma tábua ou algo similar a uma ponte.

Essas imagens servirão de base para o mapeamento e para a posterior reconstrução em CGI de todos os movimentos corporais em questão e dos elementos cênicos com os quais haverá interacção. O restante do cenário é preenchido com outras imagens compostas em bases de dados, mas que não precisam, necessariamente, interagir com o personagem.

Cena de batalha em Avatar. Foto: Divulgação / 20th Century Fox.

Coreografia do trabalho de câmara

Depois de finalizadas a captura de imagens corporais e faciais, bem como a composição das cenas por meio da percepção de cenários é hora de dar vazão ao trabalho do director de Fotografia do filme. É ele o responsável por sugerir os melhores enquadramentos e quais movimentos de câmara serão utilizados em cada uma das sequências.

Neste caso, com toda a base de imagens prontas, entra em cena a coreografia das cenas. Por exemplo: se em determinado momento o director quer que a câmara se mova da direita para a esquerda e depois vá para o alto, mostrando uma imagem panorâmica, todo esse trabalho será feito directamente no computador, já que a imagem em si não existe, mas sim a composição de várias delas de maneira virtual.

Esse acabamento é um dos trabalhos mais complexos, pois não envolve directamente os actores. Por outro lado, a liberdade de criação de movimentos como vôos, por exemplo, é praticamente ilimitada. Por isso, nesse quesito, pode esperar imagens panorâmicas como nunca viu anteriormente, já que é a primeira vez que alguém tem tantos elementos em mãos para criar sequências como bem entender e de maneira tão realista.

Efeitos visuais

Com tantas novas tecnologias reunidas já era de se esperar que a composição de todas elas e o resultado final do filme alcançassem níveis nunca antes atingidos na história do cinema. Não tenha dúvidas que o nome de Avatar irá figurar em todas as premiações cinematográficas que privilegiem os aspectos técnicos, como as premiações dos sindicatos e categorias técnicas do Oscar.

No entanto, uma das propostas do filme, e talvez a principal delas, é proporcionar ao espectador uma nova experiência de “ver cinema”. O que significa isso? Significa utilizar o 3D não com efeitos gratuitos – como alguém jogando algo na tela para dar a impressão que irá atingir o espectador – mas sim como linguagem. Ele é um rico instrumento para proporcionar imagens com maior profundidade de campo, dando a impressão de cenários maiores, mais ricos e detalhados, numa visão semelhante a do olho humano.

É claro que uma experiência como essas ainda não é possível na sua casa. Para extrair o máximo da ideia de James Cameron é preciso assistir ao filme numa tela IMAX 3D. Ou, caso a sua cidade ainda não possua uma delas, num cinema com projecção em 3D.

Pôster do filme Avatar. Foto: Divulgação/20th Century Fox.

Filme mais caro do mundo

Como citamos acima, Avatar é possivelmente o filme mais caro da história do cinema. Segundo estimativas não-oficiais o valor de produção chegou à casa dos US$ 400 milhões. Para que uma produção como essa se pague e dê um lucro aos produtores, por exemplo, será necessário arrecadar ao menos US$ 1 bilhão.

A conta é simples: os primeiros US$ 400 milhões arcariam os custos de produção. Outros US$ 400 milhões seriam destinados aos cinemas, exibidores e distribuidores e pagamento de impostos. Por fim, outros US$ 200 milhões cobririam a massiva campanha de marketing para promoção do filme. Com US$ 1 bilhão o filme adquiriria o seu ponto de equilíbrio e os produtores teriam um lucro real sobre ele.

A aposta é bastante ousada e é parte de um plano para que Avatar vire uma saga, com pelo menos mais dois filmes e uma infinidade de produtos que podem ser licenciados trazendo royalties para os detentores da marca. Se a produção de James Cameron vai conseguir superar essa marca, só o tempo irá dizer.

Uma revolução no cinema?

A resposta para essa pergunta é sim! E não! Calma, vamos explicar. Se pensa que vai ao cinema para ver o melhor filme de todos os tempos ou o filme que vai mudar sua vida é melhor conter a sua expectativa. Não há nenhuma revolução nesse sentido. A história é simples e remete a muitas outras produções. Ou seja, nesse sentido prepare-se para ver um bom filme de entretenimento e se divertir.

Porém, em termos de bastidores e aspectos técnicos, Avatar representa sim um marco tecnológico que será lembrado por muitos anos na história do cinema. É a primeira vez que um filme utiliza com tanta propriedade recursos de CGI tão próximos do realismo. Para citar as palavras do crítico de cinema Pablo Villaça, editor do site Cinema em Cena, “Avatar faz Gollum, da trilogia O Senhor dos Anéis, parecer uma marionete quebrada”.

Da mesma forma, os recursos em 3D utilizados neste filme não se resumem a meros efeitos, mas se constituem numa nova linguagem, que deve ser explorada a partir de agora permitindo novas e inúmeras possibilidades para os cineastas. É claro que efeitos como esse ficarão restritos inicialmente a filmes com grandes efeitos visuais e não deve alterar em nada o cinema “de arte” ou “independente”. No entanto, essas novas possibilidades permitem a criação e a exploração de mundos que, até então, dificilmente seriam verossímeis fora da imaginação dos seus criadores.

Cena do filme Avatar. Foto: Divulgação / 20th Century Fox.

Outro aspecto interessante dessa “revolução” chega a ser poético. Os efeitos em 3D, na verdade, são possíveis apenas graças à maneira como o olho humano percebe a junção das duas imagens projectadas em dimensões distintas. Ao propor uma nova experiência de cinema, James Cameron sugere que essa imersão do espectador na história aconteça graças ao efeito. Ou seja, a nova experiência de ver cinema depende muito mais da maneira como vemos o filme do que a obra em si. A revolução, no final das contas, está no nosso jeito de olhar.

  

  

Deixe um Comentário

%d bloggers like this: